Tag Archives: Palmeiras

Craque é Craque – Ademir da Guia

8 out

É, rapaz, a situação do Palmeiras de hoje tá tão feia que é melhor olhar para o passado… confira então a carreira do melhor jogador alvi-verde, o divino Ademir da Guia!

Sim, Ademir da Guia tem relação com o zagueiro Domingo da Guia, é filho dele! Ademir começou a carreira no Bangu, mas foi no Palmeiras onde construiu sua história!

Camisa 10 nato, Ademir possuía passadas largas, parecia lento, mas era rápido. Os volantes adversários reclavam, diziam que “marcar Ademir é muito cansativo… corro o dobro, pensando que estou só andando”.

Além disso, Ademir fazia vários gols de falta, era muito inteligente, possuía extrema calma e paciência na frente do goleiro, dava toques sutis na bola, não tinha essa de bicão… e ainda batia de longe e chegava na área para cabecear!

Muito calmo e paciente, Ademir fazia a bola correr por ele… chegou inclusive a dizer “quem tem que correr é a bola, eu que tenho pulmão, não”.

Ademir é o 3º maior artilheiro da história do Palmeiras, clube pelo qual jogou mais de 900 vezes. Nessas partidas, o Verdão ganhou mais de 500 e perdeu menos de 150! Ganhou 5 campeonatos paulistas, 2 Robertões, 1 Taça Brasil e 2 Brasileiro. Pela seleção, figurou na Copa 74, mas não obteve sucesso.

No último Craque é CraqueBebeto.

Anúncios

Rabiscou! – Alex vs SPFC

24 ago

Para aproveitar essa bela sexta-feira, trazemos agora um dos mais belos Rabiscou! que esse Brasil já viu: Alex vs SPFC!

Para quem não se lembra, Alex é um dos meias mais injustiçados do futebol brasileiros. Porém, mais importante do que glória e seleção brasileira, o canhotinho apareceu no Além do Placar, aí sim!

Bom, se liguem no que o Alex fez contra o SPFC no Torneio Rio-SP:

Lindo, né? Esse gol ganhou até placa e outdoor nas ruas de São Paulo:

Boa Alex cabeção!

No último Rabiscou! – Chapéu do Sandro Silva

Isso é Torcer – Além do Placar no Palmeiras x Coritiba

11 jul

Geralmente, postamos sobre ações maneiras feitas por diversas torcidas aqui no blog. Mas o post de hoje é especial: o Além do Placar esteve na primeira partida da final da Copa do Brasil entre Palmeiras x Coritiba, contaremos aqui como foi essa experiência!

O jogo era na Arena Barueri e, sair de São Paulo para Barueri no fim da tarde é sinônimo de MUITO trânsito. A galera que vai para o jogo se mistura com o pessoal voltando do trabalho e a situação fica bem caótica: levamos 3 horas e meia da Vila Mariana até a Arena Barueri.

Isso não quer dizer que o passei não foi divertido, pelo contrário, demos muitas e muitas risadas. O pedágio da Castelo Branco foi uma festa! Várias carros na fila começaram a soltar rojões! Todo mundo contribuiu para fazer um buzinasso palmeirense, vários carros bombaram músicas como o hino palmeirense, o dá-lhe porco, dá-lhe porco e doutor, eu não em engano: fdp é corinthiano! O nível do trânsito e da animação era tão grande que a galera desceu do carro e começou a sambar no meio da estrada.

A polícia também parou o trânsito várias vezes para abrir caminho para os ônibus das organizadas. Por mais que eles precisem estar lá, os outros torcedores também pagaram ingresso… não achei justo não, ficaria muito puto se perdesse o começo do jogo porque fiquei no bloqueio.

Quando finalmente chegamos perto do estádio, tivemos uma PUTA sorte: paramos no último estacionamento, que já estava quase lotado, fomos o penúltimo carro permitido a estacionar. Não sei o que o pessoal sem vaga fez, as intermediações do estádio estavam fechadas e acho que tiveram que voltar para a estrada.

De lá, uma caminhada de 5 minutos até a Arena Barueri. Tomamos uma breja no caminho, é claro! Chegamos no estádio as 9:40 da noite e, enquanto a segunda cerveja descia o gogó, uma tristeza.

Ouvimos barulho de bombas e balas de borracha, umas 200 pessoas começaram a correr do nada. A gente fugiu, é claro! A coisa se acalmou um pouco e, mais uma vez do nada, mais bombas e tiros, dessa vez com policiais em cavalos dando cacetadas… Pânico, não vimos nada de perto, mas morremos de medo do que poderia acontecer. Pelo o que ouvi depois, parece que rolou uma mega-treta, ainda bem que escapei mas que tudo esteja bem com quem se machucou… LAMENTÁVEL!

Entramos logo para o estádio antes de tomar um tiro naquele fuzuê. Apesar de comprar lugar marcado, ninguém respeita, as cadeiras nem têm número, por exemplo. Chegamos quando as equipes estavam entrando em campo e, pelo atraso, pagamos caro: só conseguimos lugar perto da torcida do Coxa e lá pela terceira fileira, ou seja, não dava para ver muita coisa do outro lado do campo e a noção de profundidade era zero.

A torcida do Coxa até que fez barulho, mas assim que o Palmeiras começou a cantar, a parada ficou pequena para eles. É lindo ver a torcida palmeirense feliz novamente, parece que acordou de um coma dos últimos 12 anos!

O jogo favorecia o Coritiba, que jogava muito melhor. Mas aí veio o 1×0 de pênalti no final do primeiro tempo. Que alegria Palmeiras!

No intervalo, as torcidas do Palmeiras e Coritiba foram ali para a intersecção e se provocaram. Como bem disse meu amigo, “parecia cachorro preso na coleira”, apesar dos 12 policiais, se soltassem ali ia dar MUITA merda.

O jogo voltou e o Coxa continuou melhor, mas a torcida do Palmeiras dava show. Bandeirões, as tradicionais faixas e muitos, muitos gritos! Com o 2×0 então, nem se fala, tomamos conta de toda a acanhada Arena Barueri!

O vídeo abaixo mostra um pouco do clima e da emoção palmeirense, e olha que nesse lance o Marcos Assunção não fez o gol de falta.

No fim, deu palmeiras! Mega alegria! Saí rapidinho do estádio para não pegar trânsito e deu certo! Em 20 minutos estava em São Paulo, ali no Mc Donald’s da Panamericana. Vários palmeirenses foram para lá também.

Mega alegria e um pelo passo ao título dado, apesar de nada estar definido, já que o Coritiba foi melhor e o Palmeiras mais eficiente. Grande alegria estar lá para apoiar o time! Isso é Torcer, com o Além do Placar em campo!

No último Isso é Torcer – Liverpool, You’ll never walk alone.

Não esqueça de nos seguir no twitter para receber todas as novidades do Além do Placar em primeira mão.

Voz da Arquibancada – O Palmeiras voltou a ser Palmeiras

22 jun

Todos presenciaram ou assistiram o intenso Palmeiras x Grêmio de ontem. Classificação e resultados a parte, esses dois jogos foram uma redenção para o espírito palmeirense. São 10:28 da manhã e nenhum jornalista esportivo escreveu sobre isso. Então eu resolvi tentar colocar em palavras o sentimento que tomou conta dos palmeirenses ontem.

O gigante não está mais adormecido, o Palmeiras voltou a ser Palmeiras.

Eu sou palmeirense há 22 anos. Eu sou palmeirense desde que nasci. Não vivi os anos da academia de futebol, era muito novo durante a maior parte da era Parmalat. Lembro-me muito bem apenas da alegria da Libertadores de 99. E da tristeza do mundial, onde, pela primeira vez, chorei pelo Palmeiras.

Nos anos seguintes, chorei mais. Chorei pela má administração, pela safadeza, pelo amadorismo que tomou conta do clube. Vi o time ser rebaixado. Vi o time se afundar em dívidas, em derrotas vergonhosas, vi o Palmeiras perder o Brasileiro ganho de 2009, ser taxado de time pequeno, de Portuguesa, de Guarani.

Como se o Palmeiras fosse pequeno. Como se essa camisa não representasse nada.

Dizem que a sorte compensa os bons, talvez isso justifique a maré de azar do time recentemente. A maneira desleixada pela qual o clube foi administrado influenciou dentro de campo. Brigas, jogador apanhando, intrigas no elenco, vexames… tudo isso aconteceu. Aconteceu também de jogos ganhos se perderem, da bola palmeirense bater na trave e sair enquanto o chute adversário entrava.

Mas, de uns meses para cá, alguma coisa aconteceu: o time mudou. Cesar Sampaio chegou e o vestiário acalmou. Barcos chegou e colocou o peito para receber qualquer bola ou flechada lá na frente. Valdívia foi sequestrado e o time se uniu. Pouco antes do primeiro jogo contra o Grêmio, disse a um amigo que o sequestro mudaria a equipe – “André, os tempos de vacas magras acabaram”– e mudou.

Veio o primeiro jogo e o Palmeiras ganhou. Veio o segundo jogo, a chuva caiu, a torcida lotou o estádio e algo novo aconteceu: nossa bola bateu na trave e entrou. Bateu na trave e entrou em um chute de Valdivia, o mesmo cujo sequestro unira a equipe. Aquela bola, aquele chute, aquela comemoração, aquele gol. O Palmeiras estava de volta. Eu senti, meu pai sentiu. Todo palmeirense sentiu.

Saíram o grito e o orgulho que há tanto tempo estavam entalados no peito. A confiança está de volta ao Palestra. O Palmeiras redescobriu-se Palmeiras, a camisa alvi-verde voltou a brilhar. Não, não ganhamos nada, ainda não somos campeões. Podemos até perder essa título na final, mas voltamos a ser Palmeiras. Voltamos a ser Palmeiras. O Palmeiras que luta, briga, joga bola, da defesa que ninguém passa, da linha atacante de raça e da torcida que canta e vibra.

E, quando o Palmeiras é Palmeiras, não é fácil para ninguém. Avanti alvi-verde imponente.

No último Voz da Arquibancada – Eu sou gremista. As razões para ir ao jogo na quinta-feira.

Rabiscou! Marcos chapelando o atacante

5 jan

Boa tarde pessoal, como vocês sabem ontem dia 04/01/12, foi anunciada a aposentadoria de São Marcos, o santo palmeirense e salvador goleiro da copa de 2002, ano em que nos consagramos penta campeões mundiais.

São Marcos

São Marcos. Foto retirada do site: http://canelada.com.br

Muitas homenagens estão sendo realizadas para o Marcão, e se diga de passagem, justíssimas!

Pensamos em uma maneira diferente de lembrar desse cara que jogou muito e falou bastante também, muitas vezes por torcer pelo time em que jogou por quase 20 anos, o Palmeiras, coisa muito rara de se ver.

Então mostraremos um lance muito inusitado desse cara, ele literalmente chapelou o atacante Bil, do time do Coritiba.

Então é isso, sorte pra você São Marcos nas peladas em que participar, aproveite para brincar de atacante e chapelar todo mundo a sua frente.

Por cima da Barreira – Roberto Carlos

4 jan

Quem se lembra da libertadores de 95? E o jogaço entre as equipes do Palmeiras e do Grêmio?

Ano em que o canhão Roberto Carlos atuava pela equipe do Parque Antártica, e as competições com clubes paulistas e gaúchos saiam faísca. 

 

 

 

 

Não que hoje isso não ocorra, mas na década de 90, o jogo era daquele jeito.

 Gols e golaços de falta, sempre me despertaram a curiosidade para a maestria com que os cobradores efetuavam suas cobranças.

Muitas dessas cobranças de falta eram de pura técnica e talento lapidado com muitos anos de treinamento duro, mas para toda regra há uma exceção e, essa exceção, damos o nome de Roberto Carlos.

Um chute forte e potente, diferentemente dos cobradores daquela época, como por exemplo o Marcelinho Carioca, mas sem dúvidas o chute de Roberto era mortal, e se fosse em direção ao gol do arqueiro, aí já era, é caixa mesmo!

Confiram esse golaço do meio da rua em que o pobre Danrlei, goleiro do time gaúcho daquela época, não pode fazer nada para evitar o pior, no nosso caso, admiradores do espetáculo, a alegria.

Bom dia a todos.

Orkut Futebol. A comunidade para quem é craque!

2 set

Para quem achou que o Orkut tinha morrido, eis que somos surpreendidos novamente.

Cada vez mais ele procura mostrar que está vivo e ativo.

A mais nova da rede social do Google, é a comunidade dedicada ao futebol. Mais precisamente, ao Brasileirão. Um novo espaço para torcidade e torcedores.

Orkut Futebol é um espaço que visa unir torcedores de todos os clubes, já que as comunidades relacionadas ao futebol e das torcidas organizadas reinavam no ranking das mais acessadas do site de relacionamento.

O novo ponto de encontro de futebol, na rede social, permite acompanhar as rodadas, ver a pontuação do time e a sua posição na tabela e ainda tirar onda com os amigos e mandar alfinetadas.

É possível também arriscar palpites em um bolão, sobre os jogos da série A e B.

Conheça: Orkut Futebol

Bom final de semana!

Veja mais:

No último Isso é Torcer! – Isso é Torcer! – Verdão é Gavião (#Será?)

No último Fora de Campo – Fora de Campo – Camisa do Palmeiras relembra 93-94

Não esqueça de seguir a gente no twitter ou de olhar os outros posts

%d blogueiros gostam disto: